Esqueci minha senha

Cadastre-se

e leia a Crítica da Economia

Últimas notícias:

Breaking Bad (Temp.1 Ep. 13) EUA: produção industrial acima do esperado

NOVO BOLETIM DA CRÍTICA SEMANAL "Engels dizia que as boas crises econômicas acontecem sempre quando a gente menos espera. É verdade. Nada mais traiçoeiro para especialistas em necrologia do capital como nós que o vai-e-vem do ciclo econômico. Quando até o champanhe já estava comprado para comemorar o início de mais um período de crise, vem a notícia que a festa teve que ser adiada. Não cancelada, adiada. A festa vai acontecer, mas quem marca a data com precisão é sempre o capital. Esse aviso e essa lição foram dados claramente no relatório do Federal Reserve Bank (Fed, banco central dos EUA) publicado nesta terça-feira (16)" [LEIA BOLETIM COMPLETO]. Leia Mais

O Estado terrorista francês na rota da ingovernabilidade

Se Debord ainda estivesse vivo, possivelmente diria que François Hollande – chefe do partido socialista e presidente da França – não passa “d’un terroriste maladroit” . Ou que a França não faz mais Napoleões como antigamente. As guerras do grand empereur eram bem mais espetaculares que os inglórios atentados terroristas atuais do Estado francês comandado pelo anão Hollande, diria o autor de La Société du Spectacle. Mais do que em qualquer outro país imperialista, o governo francês tem oprimido seus cidadãos com uma série fatal de espetáculos terroristas, em meio a contínuos protestos políticos, greves de sindicatos e agitação de movimentos sociais. Essa forma de governar promovendo o medo e um crescente stress entre os cidadãos do país tornou Hollande o presidente mais impopular da história moderna da França. A banalização do espetáculo pode ser a porta de entrada da nova guerra civil em França.

É uma pena ser mulher


Correspondência Internacional

Vídeo Debate José Martins "Os Rumos da Crise na América Latina"

Novo Vídeo: debate José Martins e Danilo Carneiro no Instituto de Estudos Latino Americano (IELA), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em Abril de 2016. Acesse ao novo vídeo - no canto de baixo da home page, seção de Vídeos - em que nosso redator JOSÉ MARTINS discorre sobre a atualidade da teoria econômica dos trabalhadores (Marx e Engels) nos dias atuais expressa na dinâmica das economias latino-americanas em 2016... Leia Mais


Realpolitik - Europa

Europa Armada

NOVO BOLETIM DA CRÍTICA (Breaking Bad Temp.1 Ep. 11 Europa Armada) A “questão alemã” da velha política internacional ressurge como quem não quer nada. Como um problema mais ou menos ingênuo de defesa da “comunidade”. Mas a geografia da guerra – Inglaterra ao Norte, França ao Oeste e Rússia a Leste – começa a asfixiar novamente os movimentos vitais da Alemanha. l.[leia texto completo do boletim] Leia Mais


Diário do Capital - Europa

Grã-Bretanha e União Europeia. Até que a catástrofe nos una para sempre

Os economistas se preocupam com o destino do velho continente e suas decrépitas burguesias nacionais, que um dia venderam para o mundo a ilusão que poderiam também ser internacionais (como só o proletariado pode ser) e garantir uma inédita governança global, um benigno ultra imperialismo sem crises e sem guerras entre as velhas potências. Também o poderoso ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble andou de cabeça baixa e falando fino nesta semana. Perguntado sobre o que pode acontecer com a Europa depois do Brexit, prefere responder filosoficamente, como todo alemão em apuros: “Nada é evidente, e nada está tão certo que não possa ser ameaçado”. Leia Mais


Diário do Capital - Europa

Breaking Bad (Temp.1 Ep. 10) Comércio internacional, valor e luta de classes.

"Os índices de deflação das exportações da França apontam milimetricamente que na próxima crise os problemas de sobrevivência dos seus capitalistas e demais parasitas da pátria serão significativamente mais difíceis de serem enfrentados que na Alemanha e Japão. Problemas que já se antecipam e explodem nas ruas e na ordem do dia da tradicional democracia francesa. O Estado reforça seu arsenal de guerra contra o proletariado. Mesmo antes da detonação da crise global que se aproxima o governo francês já mostra suas armas para salvar a propriedade privada, o Estado e o capital. Não se trata – como as almas boas da esquerda poderiam imaginar – de um governo fascista ou de uma idiota direita qualquer. Tão nobre tarefa exige agentes mais eficientes. Os velhos socialdemocratas salvam os parasitas. Assim, a chamada “loi travail” ... [leia o texto completo na Critica Semanal da Economia] Leia Mais


Diário do Capital - Europa

Novo boletim da Crítica "Observações acerca da produção mundial de alimentos"

A espécie humana precisa produzir cinco vezes mais do que atualmente para se reproduzir. Para alcançar esse objetivo bastaria que as sete maiores economias produtoras de alimentos do mundo produzissem com a mesma produtividade agrícola (produção por habitante) que a agricultura dos EUA, economia de ponta do sistema. Enquanto nos EUA a produção agrícola per capita (318,9 milhões de habitantes) alcança 1,61 toneladas por habitante, na média mundial (7,5 bilhão de habitantes) alcança míseros 0,33 ton. Quer dizer, a produtividade média mundial é de aproximadamente um quinto da estadunidense. Esta é uma importante arma de dominação imperialista dos EUA sobre o resto do mundo, incluindo as demais economias dominantes da União Europeia, Japão, etc. E quanto mais eles se utilizam desta técnica superior e se apropriam do superlucro no comércio internacional mais travam ou destroem a agricultura dos seus concorrentes. Leia Mais


Diário do Capital - Brasil

Brasil: burguesia desvairada

Nivelar os salários brasileiros aos indianos não é uma tarefa fácil. Mas é rigidamente necessária. Essa é uma aventura burguesa que abre riquíssimas possibilidades para a luta de classes. Realizar essa tarefa exige agora muito mais violência democrática e policial por parte da burguesia que em outros períodos históricos de mudanças na forma dominada de acumular capital no país. O Estado burguês brasileiro já começou essa tarefa. Mas, ao executá-la ele próprio se desmancha. Redobra-se a violência democrática. Rende mais que a ditadura. Alkmin vale mais que Bolsonaro. É legalizado o assassinato de trabalhadores e da juventude proletária. . Leia Mais


Diário do Capital - EUA

EUA: detectada a queda mais pesada dos lucros desde a “Grande Recessão”

As ações continuam subindo em todo o mundo, o petróleo e outras matérias primas também. O emprego e as vendas de casas novas nos EUA alcançam níveis próximos de auge do último ciclo (2003-2008). O Federal Reserve Bank (Fed) até vislumbra elevar mais um pouco a taxa básica de juros no próximo mês de junho, apesar da desaprovação de Bernanke e outros que entendem do assunto. Na Europa todos esses mercados também estão bem mais aquecidos que no assustador começo do ano. Será que tudo isso quer dizer que os próximos trimestres serão só de alegria para os capitalistas de todo o mundo? Um grande baile? Não acredite nisso. No meio do caminho tem uma pedra. Um verdadeiro iceberg que colocará um fim a todo esse voluntarismo de tolos especuladores de primeira viagem em um colossal Titanic Leia Mais


Últimas notícias

Mais lidas

Livraria

Aguarde próximos lançamentos.

Cursos

Aguarde agenda de cursos.